19 de dez de 2010

Desabafo : Interpretação de texto é a coisa mais SACAL num concurso público

Interpretação de texto é a coisa mais SACAL num concurso público

Uma pequena e rápida mudança  de foco neste blog!

Pessoal, eu ando indignado com quem elabora a parte de interpretação de texto de concursos públicos.
Como não sei quem são nem quantos são, meu ódio dilui-se ( ou talvez amplie-se ) e eu fico mais p* ainda.



Certo que muitas pessoas sabem ler e escrever, mas muitas vezes não entendem o que se apresenta a sua frente.
Mas muitos que elaboram as questões de interpretação de texto - pasmem - também não compreendem o que leêm.

Não raro vemos questões que juramos ter acertado, mas inacreditavelmente constatamos que erramos - tudo porque não soubemos captar a mente parva e a ótica distorcida desses diletos imbecis.
Tudo porque presume-se que ELES sabem interpretar a porcaria do texto que irão nos apresentar.

Um exemplo clássico deu-se com o escritor e teledramaturgo Mario Prata.
Um texto dele foi escolhido para uma prova de vestibular e  um amigo mandou para ele as questões relativas ao texto escolhido.
Por curiosidade ele respondeu às questões e ao conferir no gabarito ele não pôde conter seu espanto - TODAS erradas.
No programa do Jô ele desceu o pau em cima disso, ou seja, quem redigiu as questões interpretou de acordo com sua lógica e compreensão e não de acordo com o que o texto do Mario queria dizer ( ou não quis dizer nada, já que isso pode ser muito relativo ).

Fiz o concurso do IBGE (2009), e colocaram logo de cara um texto de Cláudio de Moura Castro ( " Da arte brasileira de ler o que não está escrito " - excelente, diga-se de passagem ),colunista da revista Veja, e que por uma interessante coincidência tratava justo desta questão - de se compreender (ou não) o que está escrito, da lógica principal que o autor quis passar e não das 'entrelinhas' do texto, que nem existem em textos, digamos, objetivos.
Pois quem redigiu a parte de interpretação dessa prova foi pego justamente no laço do autor - também não entendeu o 'espírito' da coisa.
Fiquei fulo porque questões estavam 'na cara', ainda assim , foram consideradas certas as alternativas que menos tinham a ver com o texto.
Que saco isso!!!

Portanto, nobre amigo(a) leitor, quando for fazer um concurso público, respire fundo - nunca se sabe qual o imbecil que foi escolhido para a parte de interpretação de texto (e que se arroga ainda na qualidade de 'professor), e você pode ser pego pela mente tresloucada dele(a) - afinal, nunca se sabe o que ele ou ela bebeu, fumou ou cheirou para poder viajar pelas idéias inexistentes do texto que vos será apresentado...

Como bem frisou Claúdio de Moura:
"Sua imaginação criativa não se detém sobre a aborrecida lógica do texto. É a vitória da semiótica sobre a semântica."


Grande abraço indignado.


P.S. - E para quem quiser conferir o texto magistral de Cláudio de Moura Castro, aí vai o texto completo:



Boa leitura ( e faça o favor de entender corretamente a 'ótica' do autor =D ) hehehehe


Da arte brasileira de ler o que não está escrito

Cláudio de Moura e Castro

                Terminando os poucos anos de escola oferecidos em seu vilarejo nas montanhas do Líbano, o jovem Wadi Haddad foi mandado para Beirute para continuar sua educação. Ao vê-lo ausente de casa por um par de anos, a vizinha aproximou-se cautelosa de sua mãe, jurou sua amizade à família e perguntou se havia algum problema com o rapaz. Se todos os coleguinhas aprenderam a ler, por que ele continuava na escola? Anos depois, Wadi organizou a famosa Conferência de Jontiem, “Educação para todos”, mas isso é outro assunto.
                Para a vizinha libanesa, há os que sabem ler e há os que não sabem. Não lhe ocorre que há níveis diferentes de compreensão. Mas infelizmente temos todos o vício de subestimar as dificuldades na arte de ler, ou, melhor, na arte de entender o que foi lido. Saiu da escola, sabe ler.
                O ensaio de hoje é sobre cartas que recebi dos leitores de VEJA, algumas generosas, outras iradas. Não tento debater críticas,  pois minhas farpas atingem também cartas elogiosas. Falo da arte da leitura.
                É preocupante ver a liberdade com que alguns leitores interpretam os textos. Muitos se rebelam com o que eu não disse (jamais defendi o sistema de saúde americano). Outros comentam opiniões que não expressei e nem tenho (não sou contra a universidade pública ou a pesquisa).
                Há os que adivinham as entrelinhas, ignorando as linhas. Indignam-se com o que acham que eu quis dizer, e não com o que eu disse. Alguns decretam que o autor é horrendo neoliberal e decidem que ele pensa assim ou assado sobre o assunto, mesmo que o texto diga o contrário.
                Não generalizo sobre as epístolas recebidas – algumas de lógica modelar. Tampouco é errado ou condenável passar a ilações sobre o autor ou sobre as consequências do que está dizendo. Mas nada disso pode passar por cima do que está escrito e da sua lógica. Meus ensaios têm colimado assuntos candentes e controvertidos. Sem uma correta participação da opinião pública educada, dificilmente nos encaminharemos para uma solução. Mas a discussão só avança se a lógica não for afogada pela indignação.
                Vale a pena ilustrar esse tipo de leitura com os comentários a um ensaio sobre nosso sistema de saúde (abril de 1997). A essência do ensaio era a inviabilidade econômica e fiscal do sistema preconizado pela Constituição. Lantejoulas e meandros à parte, o ensaio afirmava que a operação de um sistema da saúde gratuito, integral e universal consumiria uma fração do PIB que, de tão alta (até 40%), seria de implantação inverossímil.
                Ninguém é obrigado a aceitar essa afirmativa. Mas a lógica impõe quais são as possibilidades de discordar. Para destruir os argumentos, ou se mostra que é viável gastar 40% do PIB com saúde ou é necessário demonstrar que as contas que fiz com André Medici estão erradas números equivocados, erros de conta, hipóteses falsas, há muitas fontes possíveis de erro. Mas a lógica do ensaio faz com que só se possa rebatê-lo nos seus próprios termos, isto é, nas contas.
                Curiosamente, grande parte das cartas recebidas passou por cima desse imperativo lógico. Fui xingado de malvado e desalmado por uns. Outros fuzilaram o que inferem ser minha ideologia. Os que gostaram crucificaram as autoridades por negar aos necessitados acesso à saúde (igualmente equivocados, pois o ensaio critica as regras e não as inevitáveis consequências de sua aplicação).
                Meus comentaristas escrevem corretamente, não pecam contra a ortografia, as crases comparecem assiduamente e a sintaxe não é imolada. Contudo, alguns não sabem ler. Sua imaginação criativa não se detém sobre a lógica aborrecida do texto. É a vitória da semiótica sobre a semântica.


Betto Coutinho

2 comentários:

  1. li seu comentário hoje, eu também acesso o files tube é bem prático de usar já peguei link pro mediafire nele várias vezes

    ResponderExcluir
  2. Olá! Parabéns pelo seu Blog!
    Já estou lhe seguindo!
    Aproveitando também para divulgar os meus Sites...
    Siga-me também!
    http://www.martas-bgfs.com (Templates personalizados para Blogs)
    http://www.brilhosgifs.com (Gifs para Orkut e enfeites para Blogs)
    Abraços,
    Marta.

    ResponderExcluir

.Comentários neste blog são moderados, portanto não serão mais aceitos:
_comentários anônimos
_sem relação com o post;
_contendo links de PROPAGANDA de outros blogs ou qualquer tipo, com o pretexto de comentário ;
_conteúdo ofensivo e imbecilidades;

Este tipo de conteúdo será sumariamente deletado.